Otorrinolaringologia

Especialidade que se dedica ao diagnóstico e tratamento clínico e cirúrgico das doenças do ouvido (equilíbrio/vertigem), das fossas nasais e seios perinasais (nariz), da faringe e laringe (voz).

 

A adenoidectomia está indicada quando as adenoides obstruem as vias respiratórias, caso estejam aumentadas, ressone em excesso, tenha problemas respiratórios no nariz ou tenha episódios de ausência de respiração durante o sono (apneia do sono). 

A adenoidectomia é recomendada quando as adenoides interfiram no quotidiano do paciente, persistam apesar do tratamento com antibióticos, ou haja 5 crises num ano ou 3 crises ou mais por ano, durante um período de 2 anos. 

A amigdalectomia está indicada quando as crises de amigdalite se tornam tão frequentes ou graves que acabam por afetar a saúde geral do paciente ou interferir nas suas atividades diárias, na audição ou na respiração. 

A amigdalectomia é recomendada quando as adenoides interfiram no quotidiano do paciente, persistam apesar do tratamento com antibióticos, ou haja 5 crises num ano ou 3 crises ou mais por ano, durante um período de 2 anos. 

É uma cirurgia de correção do desvio do septo nasal, realizada isoladamente ou combinada com outros tipos de cirurgia para corrigir outros tipos de problemas nasais, recorrendo a turbinectomia de espigões ósseos, rinoplastias ou cirurgias endonais.
As causas podem ser congénitas (presentes aquando do nascimento ou com predisposição) ou adquiridas (por exemplo, após traumatismo nasal).
Dependendo do caso, pode haver dificuldade em respirar pelas duas narinas ou só de um lado. Isto pode predispor a sinusites, respiração bucal, cansaço, dificuldade em dormir bem, roncos e babação noturna.
A septoplastia é indicada principalmente para os seguintes casos: 

  • obstrução das vias respiratórias nasais 
  • cefaleias decorrente do esporão septal 
  • hemorragias nasais incontroláveis 
  • deformidade do septo nasal descoberta aquando do planeamento de outra cirurgia intranasal.

Poderá estar associada a outras intervenções.
As funções do nariz são o olfato, bem como filtrar, humidificar e aquecer o ar respirado, entre outras.

Os sintomas mais habituais são a obstrução nasal e do muco nasal, dor facial e cefaleias por sinusites de repetição. À exceção dos problemas alérgicos que originam com frequência estes sintomas, as causas mais comuns são o desvio do septo nasal e as obstruções dos seios perinasais que podem ser facilmente corrigidos com intervenção cirúrgica.

Poderá estar associada a outras intervenções.

A amigdalectomia ou tonsilectomia é a cirurgia que consiste na remoção das amígdalas palatinas, glândulas localizadas na parte posterior da garganta. As crianças são as mais submetidas a este procedimento, estimando-se que, a nível mundial, 7 a 10% das crianças tenham uma indicação formal para retirar as amígdalas.

Esta situação pode, igualmente, surgir em adultos e, quanto mais cedo se faz uma amigdalectomia melhor é o pós-operatório, menor risco de complicações e menor a dor.

A amigdalectomia ou tonsilectomia é a cirurgia que consiste na remoção das amígdalas palatinas, glândulas localizadas na parte posterior da garganta. As crianças são as mais submetidas a este procedimento, estimando-se que, a nível mundial, 7 a 10% das crianças tenham uma indicação formal para retirar as amígdalas.

Esta situação pode, igualmente, surgir em adultos e, quanto mais cedo se faz uma amigdalectomia melhor é o pós-operatório, menor risco de complicações e menor a dor.

Os cornetos nasais são tratados de forma conservadora por meio de eletrocoagulação, cauterização, turbinectomias, turbinoplastias ou luxação.

Está indicada em caso de existência de otite serosa e consiste num corte no tímpano, colocando-se muitas vezes, um tubo de ventilação.

A timpanoplastia é um procedimento cirúrgico realizado para reconstrução do tímpano que tenha sofrido perfuração devido a otite média crónica ou aguda, permitindo a reconstrução da cadeia ossicular destruída.
No ouvido normal, as ondas sonoras são conduzidas do tímpano para a janela oval do ouvido interno por uma cadeia de três ossículos (martelo, estribo, bigorna). 

Nas otites médias crónicas ou agudas, poderá ocorrer a destruição ou a erosão desses ossículos, comprometendo a transmissão do som. Nestes casos, a timpanoplastia proporciona a única oportunidade de recuperar a audição perdida.

A otoplastia é uma cirurgia realizada para mudar a aparência das orelhas do paciente, podendo ser estética ou reparadora.

Visa dois objetivos principais: diminuir a projeção das orelhas (rodando as conchas posteriormente) e refazer a anti-hélice. 

A incisão normalmente fica na região posterior do pavilhão auricular e a cartilagem é remodelada com pontos, incisões ou raspagem.

Rinoplastia é uma cirurgia realizada no nariz,para melhorar a estética ou a respiração do indivíduo. Corrige deformidades traumáticas ou naturais e corrige disfunções. A rinoplastia moderna visa reestruturar o nariz, tratando suas deformidades, pela redução das estruturas osteo-cartilaginosas (rinoplastia de redução) ou pela inclusão de enxertos osteocartilaginosos (rinoplastia de aumento), intervindo ao nível do dorso e da ponta do nariz, das narinas e do septo nasal.

A terapia intratimpânica visa a recuperação da surdez neuro-sensorial súbita, provocadora de surdez súbita.

A reabilitação vestibular visa o tratamento das perturbações de equilíbrio, em particular das vertigens. 

São um método amplamente utilizado em caso de epistaxis (ou sangramento nasal).

O cerúmen ou cerume, conhecido como a cera do ouvido, é uma substância produzida pelas glândulas dos ouvidos, que tem como função proteger a pele do canal auditivo externo de danos provocados pela água, traumas, corpos estranhos, infeções, etc.

A acumulação de cerúmen é geralmente assintomática, mas pode, ocasionalmente, causar sintomas incómodos, tais como a perda de audição, comichão, desconforto ou sensação de ouvido entupido de cera.